quarta-feira, janeiro 15, 2014

STEEKSPEL



Impressionante a falta que Paul Verhoeven faz. Pelo menos, para não dizer que o holandês maluco está definitivamente aposentado, ele nos dá o prazer de conferir um média-metragem delicioso que está passando batido por falta de divulgação. STEEKSPEL (2012) é o nome do filme e é uma comédia apimentada sobre um pai de família que costuma pular a cerca com frequência e se vê metido em encrencas. Atualmente está tendo um caso com a melhor amiga da filha. A moça que interpreta a jovem amante se chama Gaite Jansen e é mais um exemplo do bom gosto do diretor no que se refere a mulheres.

STEEKSPEL tem cara de telefilme, provavelmente por causa do orçamento pequeno, das locações basicamente em interiores e da trama que poderia muito bem se passar em um palco. Mas não se trata de uma adaptação de uma peça de teatro. O roteiro é original e Verhoeven é um dos três redatores.

Na trama, durante seu aniversário de 50 anos, o empresário Remco (Peter Block, presente no elenco de A ESPIÃ, 2006) se vê em complicações quando uma ex-amante aparece grávida e a nova amante, a melhor amiga da filha, também está por perto para deixá-lo ainda mais nervoso, já que a esposa está de olho nele. Toda essa situação no aniversário de Remco é divertidíssima, pois envolve outros personagens também, tudo muito bem coreografado pelo diretor.

O legal é que, mesmo depois de passada a sequência do aniversário, o filme ainda se sustenta muito bem, tornando-se uma dessas comédias de erros herdeiras de Shakespeare, que por sua vez já fazia comédias herdadas de outros dramaturgos e dos gregos. Até hoje isso funciona muito bem. E no caso de Verhoeven, ainda temos o prazer de ver desfilando as beldades (com ou sem roupa) que ele faz questão de colocar em seus trabalhos. Definitivamente, o cinema precisa de mais Verhoeven.

Nenhum comentário: