quinta-feira, agosto 13, 2009

COISAS ERÓTICAS



Acabei baixando COISAS ERÓTICAS (1981) acidentalmente. Confundi com CONTOS ERÓTICOS, o celebrado softcore nacional dirigido por quatro cineastas ilustres e que conta com a famosa cena de sexo de Cláudio Cavalcanti com uma melancia. COISAS ERÓTICAS, porém, tem a sua importância. Foi o primeiro filme de sexo explícito brasileiro, produzido quando a censura no Brasil começava a se tornar um pouco mais maleável e os pornôs estrangeiros começavam a desembarcar no país. Já eram um sucesso retumbante no exterior desde o final dos anos 60. Dado o grau de novidade, não era de se espantar que COISAS ERÓTICAS se tornasse um grande sucesso de bilheteria. Até hoje está no top 20 de filmes brasileiros mais vistos de todos os tempos.

Naturalmente o filme envelheceu bastante, mas consegue ser mais interessante de ver do que os pornôs atuais. Talvez porque não seja o tipo de filme que se assista como coadjuvante para o "sexo manual". Ver esses pornôs históricos é quase um estudo antropológico. Também pode funcionar como comédia. E nem chega a ser involuntária, pois os pornôs nacionais tinham mesmo esse ar anárquico, moleque. Um pornô atual, por exemplo, é até difícil ver do começo ao fim sem usar diversas vezes o fast forward do controle remoto.

COISAS ERÓTICAS é enxuto, as cenas de sexo não se estendem tanto como a dos pornôs de hoje e ainda tem um bom andamento narrativo. São três histórias de menos de meia hora. Duas dirigidas por Raffaele Rossi e outra por Laente Calicchio. As três têm os seus momentos excitantes. Na primeira história, homem e mulher se conhecem; ela leva o sujeito para uma casa de praia, onde ele conhece a filha dela, que vive tomando banho de sol nua perto da piscina. Na segunda história, dois casais se encontram para fazer um swing. Detalhe para a cena das duas mulheres se pegando na praia, enquanto um dos maridos apalpa a bunda do outro. Ainda levaria alguns anos até aparecerem os filmes pornôs gays e essa cena é um começo tímido. Essa segunda história também se destaca por começar com uma cena de sexo sadomasoquista, com chicote e tudo. A terceira e última história gira em torno de um triângulo amoroso entre um rapaz e mãe e filha. Destaque para a cena em que ele leva a mãe da namorada para um motel.

Como o pornô nacional demorou a apresentar moças que não parececem prostitutas de terceira categoria, naturalmente COISAS ERÓTICAS não prima pela beleza das meninas. Mas o filme tem muito mais tesão do que os novos exemplares nacionais, feitos como produto industrial.

Nenhum comentário: