quarta-feira, abril 24, 2013

ALVO DUPLO (Bullet to the Head)



Não deixa de ser irônico o título brasileiro que o novo filme de Walter Hill recebeu no Brasil. Se tivessem optado pela simples tradução do original, o título seria "Bala na Cabeça", mesmo nome dado a um filme de John Woo. No entanto, optando por ALVO DUPLO (2012), acabaram batizando-o com o nome de outro filme de Woo. Teria sido proposital? Uma brincadeira? De todo modo, isto não é o mais importante. O importante é o retorno de Walter Hill à direção, depois de mais de dez anos fora da função, pelo menos no cinema.

E o retorno veio em parceria com Sylvester Stallone, homem que já se nota ser um saudosista. Seu maior alter-ego é o sensível Rocky, mas ele tem preferido fazer personagens mais casca-grossas ultimamente, como em RAMBO IV, em OS MERCENÁRIOS e sua continuação e principalmente neste ALVO DUPLO, em que a violência aparece sem dó nem piedade. Até mesmo o som dos tiros é mais bem mais alto neste filme, o que pode incomodar quem tiver hipersensibilidade auditiva.

Não se trata de um trabalho perfeito. Não é dos melhores de Stallone, nem de Hill, mas cumpre bem a sua função. Stallone está muito bem no papel, o que não dá para dizer o mesmo de seu parceiro, vivido por Sun Kang, de NINJA ASSASSINO. Talvez o roteiro não tenha dado mais espaço para Kang brilhar ou o ator tenha ficado intimidado com a persona de Stallone, mas o fato é que a química entre os dois não deu muita liga.

Outro problema do filme está no roteiro e na construção da trama envolvendo os vilões. É um roteiro mal formulado e já se nota que a trama é uma mera desculpa para a ação. O que não chega a ser um problema. Mas o ruim é que, para que esse tipo de situação funcione, os vilões precisam ser convincentes e minimamente bem construídos em sua carga de maldade. Daí vemos papéis beirando o ridículo para Christian Slater e Adewale Akinnuoye-Agbaje. Pelo menos, o papel de Jason Momoa, o novo Conan, é valorizado. No fim das contas, com a luta final entre ele e Stallone, vemos que a ação é o que importa.

Aliás, na cena da batalha entre os dois, vemos o senso de humor do personagem de Stallone ao perguntar se agora é luta de viking. O senso de humor no que se refere à violência também beira ao humor negro, especialmente quando o personagem de Stallone, o matador de aluguel, dá um tiro na cabeça de um sujeito sem a menor cerimônia. Isso não é novidade em filmes de ação, principalmente os vindos de Hong Kong e adjacências, mas acaba sendo algo novo dentro dos filmes de ação exibidos nos cinemas atualmente. Então é isso: ALVO DUPLO é filme que vai direto ao ponto, cheio de testosterona e que mostra que Stallone continua em forma. 

Nenhum comentário: