segunda-feira, dezembro 05, 2005

O CASAMENTO



Entre os menos de dez títulos da filmografia de Arnaldo Jabor, os que mais se destacam são aqueles inspirados na obra de Nelson Rodrigues. Antes de O CASAMENTO (1975), o diretor havia realizado o superior TODA NUDEZ SERÁ CASTIGADA (1973), também baseado na obra rodriguiana. Entre os filmes de Jabor - e saindo um pouco de Nelson Rodrigues -, também gosto bastante de EU TE AMO (1981), mas acho que é mais pela presença de cena de duas das mais brilhantes estrelas de nosso cinema, Sonia Braga e Vera Fischer, em momentos de alta voltagem erótica.

O CASAMENTO, como é de praxe em filmes inspirados em Rodrigues, é uma crítica à família burguesa brasileira, suas regras de moral e sua hipocrisia. Na trama, Paulo Porto é o Dr. Sabino, homem rico e de família tradicional que se prepara ansiosamente para o casamento de sua filha Glorinha (Adriana Prieto). O casamento da filha perturba o seu espírito, que nas 48 horas que antecedem o evento, chega a confessar a uma mulher com quem faz sexo que ele chegou a ter desejos homossexuais na adolescência. Além do mais, durante o sexo com a secretária, ele grita o nome da filha, por quem tem um desejo intenso. Pra completar, o noivo de Glorinha é gay. Outros personagens interessantes dessa novelona são: Xavier (Nelson Dantas), homem que se apaixona pela secretária do Dr. Sabino, mas que é casado com uma mulher leprosa; e Antonio Carlos (Érico Vidal), suicida em potencial que é apaixonado por Glorinha. Uma das seqüências mais memoráveis de O CASAMENTO é a da conversa no carro entre Glorinha e o pai, com a filha lhe perguntando se ele a ama.

Na verdade, como eu vi o filme há muito tempo, acabei esquecendo de muita coisa. O que eu mais lembro é do tom operístico, exagerado, meio como um circo de horrores. Eu diria que bem mais grotesco até do que outros filmes baseados em Nelson Rodrigues, como OS 7 GATINHOS e BONITINHA, MAS ORDINÁRIA, pra citar dois exemplos bem gritantes. Ainda assim, apesar de todo esse clima de tragédia e de perversões sexuais, o filme não é impactante o suficiente e nem tem boas cenas de sexo.

Esse foi o último trabalho de Adriana Prieto. Depois desse filme, ela morreu num acidente de carro. Seu fusca bateu num carro da polícia. Ela tinha apenas 25 anos.

Gravado da Globo.

Nenhum comentário: