sábado, dezembro 25, 2004

O AGENTE DA ESTAÇÃO (The Station Agent)



Ultimamente as pessoas (geralmente os críticos) não têm enxergado com bons olhos os filmes independentes americanos. Realmente alguns deles têm se apoiado em temas estranhos e em abordagens que tentam serem modernas. Mas na verdade isso nunca me incomodou. A maioria desses filmes ainda me dá bastante prazer. Se eles são bons ou ruins, geniais ou medíocres, aí já é outra história.

O AGENTE DA ESTAÇÃO (2003), de Thomas McCarthy, é com certeza um dos melhores dessa safra. A história do anão (Peter Dinklage) que se muda para um lugar afastado e que é influenciado e influência para um grupo de pessoas de uma cidadezinha do interior de Nova Jersey é tocante. Não por tocar no tema do anão que é ridicularizado ou rejeitado pela sociedade, mas por falar de pessoas que têm problemas como qualquer outra.

Vendo esse filme, percebe-se o quanto a figura do anão foi utilizada de maneira preconceituosa na grande maioria dos filmes. O anão quando não é pra fazer rir como palhaço de circo, aparece nos filmes como algo estranho ou bizarro, como o anão de TWIN PEAKS, ou o anão de FREAKS, de Tod Browning.

O AGENTE DA ESTAÇÃO não se solidariza apenas com Finn (o personagem de Dinklage), mas também com três outras pessoas que ele conhece quando se muda para uma casinha afastada da cidade. Chegando lá, ele conhece um sujeito falastrão que vende sanduíche e café com leite num trêiler em frente a sua casa. Ele, que não quer papo com ninguém, inicialmente vai rejeitar a amizade do rapaz. Aí entra em cena a personagem de Patricia Clarkson (de A PROMESSA e LONGE DO PARAÍSO). A primeira vez que ela aparece é bem engraçado: quase atropela o pobre Finn. A relação de amizade que se estabelece entre os três é bem bonita. Também no elenco, Michelle Williams (de DAWSON'S CREEK), a jovem que trabalha numa biblioteca.

Não precisa ser um anão pra entender a situação de Finn. Quantas vezes nos fechamos numa concha para não sermos magoados de novo? Quantas vezes não achamos que o melhor a fazer é ficar só, já que as outras pessoas são a causa do nosso sofrimento? Quantas vezes nos sentimentos rejeitados por alguém que amamos? Não é difícil se identificar com Finn, então.

O filme já está disponível em DVD, mas quem é de Fortaleza e quiser ver o filme no cinema - o melhor lugar pra se ver um filme -, ele está entre os programados do Cinema de Arte para o mês de janeiro.

Nenhum comentário: