quinta-feira, novembro 17, 2005

O OPERÁRIO (The Machinist / El Maquinista)



O OPERÁRIO (2004) é um dos filmes que mais passa o sentimento de aflição que eu já vi na vida. Muito por causa do estado em que ficou o ator Christian Bale para dar forma ao personagem esquelético do filme. Em certa altura, Jennifer Jason Leigh, no papel da prostituta carinhosa Stevie, diz para Trevor (Bale): "Se você fosse mais magro, você não existiria." E o filme, com sua lente perversa, não nos poupa de ter que olhar para aquele esqueleto humano e ter que acreditar que aquele ali é mesmo Bale.

Claro que dá pra desconfiar de um filme cujo principal assunto de debate seja a "dieta" do ator principal para se adequar ao personagem. Mas é que Bale chegou a parar de comer mesmo. Comia apenas uma lata de atum e uma maçã por dia. Ele ficou praticamente sem se alimentar por semanas e mal tinha força nas pernas. Seus músculos já tinham sido "comidos" pelo próprio corpo.

Brad Anderson, o diretor, e Scott Kosar, o roteirista, se aproveitaram dessa entrega do ator para construir um suspense hitchcockiano inspirado em PSICOSE. Eles tiveram que conseguir financiamento na Espanha, já que o projeto foi considerado muito sombrio pelos executivos de Hollywood. Por isso as filmagens aconteceram em Barcelona. Tiveram que adaptar a cidade de modo que ela ficasse parecida com Los Angeles. Tudo isso é mostrado no ótimo documentário constante do DVD. O documentário, inclusive, foi dirigido por Nacho Cerdà, diretor de renome dentro do circuito underground de filmes de terror. Pena eu não ter tido tempo de ouvir (e ler, principalmente) a faixa de comentário (legendada) de Brad Anderson.

Não dá pra contar muito da história sob o risco de estragar as surpresas. Não que eu já não tivesse advinhado algumas coisas a partir do aparecimento do personagem de Ivan, mas as razões e as causas de seu definhamento só vão ser esclarecidas lá pelo final. Pode-se dizer que o filme é hitchcockiano também no uso da culpa como tema principal. O fato de boa parte da trama se passar numa fábrica cheia de máquinas pesadas e com o risco de se perder um braço naquele troço aumenta ainda mais o mau estar.

Desde o começo notamos que o tom do filme será bem sinistro. Afinal, OPERÁRIO já começa com Bale tentando dar fim a um cadáver. Um outro detalhe interessante é que o céu no filme aparece sempre carregado de nuvens. Parece que está prestes a cair uma tempestade, lembrando até o céu do começo de O PÂNTANO, da Lucrécia Martel. Tudo isso ajuda a passar um clima de pesadelo e de perturbação mental do personagem.

O DVD está com imagem belíssima em widescreen 2,35:1.

Nenhum comentário: