sábado, novembro 12, 2005

DAVID O. RUSSELL EM DOIS FILMES



De David O. Russel, ja tinha visto seus outros dois filmes: TRÊS REIS (1999), o filme que o projetou internacionalmente, colocando-o no primeiro time de Hollywood, e A MÃO DO DESEJO (1994), sua estréia na direção de longas-metragens e lançado no Brasil apenas em VHS. Recentemente tive a oportunidade de conferir mais dois trabalhos do diretor. Vamos a eles.

PROCURANDO ENCRENCA (Flirting with Disaster)

Trata-se de um dos filmes mais engraçados protagonizados por Ben Stiller. Pode-se dizer que esse foi o primeiro filme importante de Stiller como comediante em Hollywood. Antes ele era mais conhecido na televisão. O ator alcançaria o estrelato dois anos depois com QUEM VAI FICAR COM MARY? e mostraria que é um dos maiores comediantes da atualidade. Em PROCURANDO ENCRENCA (1996), Stiller é um sujeito casado que decide conhecer os seus pais biológicos. Patricia Arquette é a esposa e Téa Leoni, a encarregada de apresentá-lo aos pais. Os três saem em viagem pelo interior dos EUA e uma série de situações engraçadas acontece. PROCURANDO ENCRENCA é desses filmes que nos fazem dar gargalhadas sozinhos em plena madrugada. Uma delícia. Gravado da Globo.

HUCKABEES - A VIDA É UMA COMÉDIA (I Heart Huckabees)

Depois da maravilha que é PROCURANDO ENCRENCA, lá fui eu alugar o DVD de HUCKABEES - A VIDA É UMA COMÉDIA (2004), que não chegou a passar nos cinemas brasileiros e foi direto para as locadoras. Também pudera, achei que foi muita coragem dos produtores de Hollywood bancarem um projeto doido desses. Existem filmes que mesmo não sendo ruins conseguem ser insuportáveis para quem não embarcar na viagem. É o caso desse mais recente filme de Russell. Não via a hora de terminar. Seus 107 minutos de duração pareciam 4 horas de tão chato que eu achei. A trama é sobre detetives existenciais ajudando pessoas desorientadas a se autoconhecerem. O elenco é cheio de estrelas: Dustin Hoffman, Jude Law, Mark Wahlberg, Naomi Watts, Isabelle Huppert, Lilly Tomly e Jason Schwartzman. Acho que eu teria gostado mais do filme se ele fosse um pouco mais sério, se houvesse algum sentido e profundidade na filosofia dos tais detetives. Quem eu mais gostei no filme foi a Isabelle Huppert, que apesar da idade, continua uma mulher belíssima e cheia de charme. Tenho vontade de ver os filmes que ela fez nos anos 70 e 80, já que vi uma foto dela antiga e achei-a linda. Voltando ao filme de Russell, o DVD vem cheio de extras, igualmente chatos, principalmente as tais cenas excluídas. O maior destaque (e a melhor coisa do disco) é o documentário sobre a produção do filme, com duração de 34 minutos. Pelo documentário, deu pra notar o clima de descontração no set de filmagens, mas também percebi certa falta de rigor por parte do diretor. Tudo fica parecendo uma brincadeira irresponsável. O DVD está com excelente qualidade de imagem, em widescreen 2.35:1.

Nenhum comentário: