quinta-feira, fevereiro 19, 2009

CINÉASTES DE NOTRE TEMPS - FRANÇOIS TRUFFAUT OU L'ESPRIT CRITIQUE



Interessante esses registros de um momento da vida e da obra de um homem como François Truffaut, que praticamente se despia em seus filmes e entrevistas, tal a exposição de sua vida, seus pensamentos e visão de mundo em suas obras. Seu primeiro longa-metragem, OS INCOMPREENDIDOS, já era semi-autobiográfico e mesmo em trabalhos de época ou em filmes que aparentemente não pareciam tão pessoais - como FAHRENHEIT 451 (1966), por exemplo -, o ar de pessoalidade estava presente nem que fosse para descrever coisas que ele admira, como as pernas de uma mulher ou o respeito pelos livros e pelos mortos. O documentário FRANÇOIS TRUFFAUT OU L'ESPRIT CRITIQUE (1965), do programa CINÉASTES DE NOTRE TEMPS, flagra um cineasta que ainda alçaria voos maiores, mesmo tendo começado sua carreira com o pé direito com um marco da Nouvelle Vague. Truffaut já havia participado do mesmo programa dedicado ao citado movimento revolucionário do cinema francês no qual ele foi uma das cabeças pensantes mais importantes, e apareceria em mais outros dois programas, um deles para dar testemunho sobre Jacques Becker.

O que eu não gostei no documentário é que ele destaca demais um dos filmes de Truffaut que eu menos gosto, que é JULES E JIM (1962), inclusive abrindo com uma canção do filme na voz de Jeanne Moreau. Há também um bom destaque para o belo curta ANTOINE E COLLETE (1962), continuação de OS INCOMPREENDIDOS. Mas o que mais há no documentário é um ainda tímido Truffaut falando de seus primeiros trabalhos de frente para a câmera. Ou seria aquilo uma entrevista coletiva? De todo modo, é sempre bom ouvir Truffaut, assim como é bom ler seus escritos, sempre entusiasmados e apaixonados. Mas talvez o melhor momento do programa seja mesmo ver o depoimento do jovem Jean-Pierre Léaud, falando com os olhos brilhando do prazer que é trabalhar com Truffaut, que foi quase um pai para ele.

Quando encerrei minha peregrinação pela obra do cineasta, tendo tido o prazer de rever seu filme-testamento, DE REPENTE NUM DOMINGO, esqueci de ensaiar um top 10 com os meus favoritos do cineasta. Então a hora é essa. Mandem as suas listas também!

Top 10 Truffaut:

1. DOMICÍLIO CONJUGAL (1970)
2. BEIJOS PROIBIDOS (1968)
3. OS INCOMPREENDIDOS (1959)
4. A SEREIA DO MISSISSIPI (1969)
5. O ÚLTIMO METRÔ (1980)
6. O QUARTO VERDE (1978)
7. A NOITE AMERICANA (1973)
8. DE REPENTE NUM DOMINGO (1983)
9. A HISTÓRIA DE ADÈLE H. (1975)
10. DUAS INGLESAS E O AMOR (1971)

Nenhum comentário: