quarta-feira, janeiro 12, 2005

TRINCA DE FILMES FRACOS



Quando a gente não está muito inspirado, é hora de falar dos filmes fracos. Estou aqui com 11 filmes para comentar e é preciso derrubar esse número, já que eu me obriguei a falar de todo filme que vejo, nem que sejam apenas umas três linhas. Esses três filmes, eu só vi porque minha irmã trouxe os DVDs emprestados. Não tinha interesse em vê-los, mas acabei vendo, talvez esperando alguma surpresa. Em comum, os três são filmes sobre relacionamentos entre homem e mulher.

FRANKIE & JOHNNY

Esse filme de Garry Marshall, diretor de UMA LINDA MULHER (1990) e NOIVA EM FUGA (1999), tem a vantagem de ter dois grandes intérpretes no elenco. Al Pacino e Michelle Pffeifer são ótimos. Inclusive, os dois até tinham contracenado antes no excelente SCARFACE (1983), de Brian De Palma. FRANKIE & JOHNNY (1991) é o melhor dos três filmes desse post, com certeza, mas Marshall fez um filme bem careta e sem o charme de UMA LINDA MULHER, filme que eu não gostei quando vi no cinema, mas que ganha aura de clássico com as revisões na tv. Na história, Al Pacino é um ex-presidiário que refaz a vida trabalhando como cozinheiro num restaurante. Lá, ele conhece a garçonete vivida por Michelle Pffeifer. Apesar da resistência inicial da moça, meio traumatizada com relacionamentos passados, os dois acabam se apaixonando. Tudo bem clichê, sem muita novidade e poucos momentos realmente emocionantes.

ALGUÉM COMO VOCÊ (Someone Like You...)

O começo de ALGUÉM COMO VOCÊ (2001) é até interessante, com a personagem de Ashley Judd fazendo uma comparação do homem com o touro, que uma vez cruzando com uma vaca, não quer mais a mesma, precisa variar. É o velho tema da mulher que fica desiludida com os homens por causa de um namoro fracassado e pela galinhagem da macharada em geral. Se Ashley Judd já não é lá muito bonita ou interessante, o que dizer de Greg Kinnear? Esse cara é muito apagado e sem graça. Hugh Jackman, o Wolverine, compensa com seu carisma, fazendo o papel do colega de quarto de Ashley. Fica na cara que os dois vão ficar juntos desde o começo. Se bem que nesse tipo de filme, nem se trata de um problema da previsibilidade, mas da incapacidade de manter o interesse e encantar o espectador com os personagens e suas situações. Também no elenco: Marisa Tomei e Ellen Barkin. No DVD tem uma faixa de comentários do diretor, mas quem é que tem coragem de ler/ouvir áudio de filme fraco?

SEXO, AMOR E TRAIÇÃO

Ainda bem que não vi essa coisa no cinema. Teria saído bem arrependido. Mas que filminho mais vagabundo, hein. SEXO, AMOR E TRAIÇÃO (2004), do diretor de televisão Jorge Fernando, é desses filmes que deixam a gente com a sensação de tempo perdido. Consegue ser ainda pior que o original mexicano - SEXO, PUDOR E LÁGRIMAS (1999), de Antonio Serrano. Nesse remake, só escapam as pernas de Malu Mader e Alessandra Negrini em alguns poucos momentos sensuais do filme. Pior é que esse filme ainda fez um relativo sucesso de bilheteria.

Nenhum comentário: