quinta-feira, fevereiro 25, 2010

PRECIOSA - UMA HISTÓRIA DE ESPERANÇA (Precious: Based on the Novel 'Push' by Sapphire)



Fazer filme sobre pessoas sofredoras não é pra qualquer um. É preciso ter o mínimo de classe. E isso passa longe de PRECIOSA - UMA HISTÓRIA DE ESPERANÇA (2009), que mais parece um desfile grotesco de desgraças, pintado com muito mau gosto. E parece que Lee Daniels é o novo queridinho de Hollywood. Até Quentin Tarantino escolheu PRECIOSA como um dos melhores filmes do ano. Talvez por ser amigo do diretor ou por ter gostado de sua obra anterior, MATADORES DE ALUGUEL (2005). Que eu não cheguei a ver, mas que parece resgatar um pouco do clima dos blaxploitations dos anos 70, a julgar pela violência da trama e pela presença de destaque de atores negros como Cuba Gooding Jr, Macy Gray e Mo'Nique. Inclusive, no tal fime, Mo'Nique faz uma personagem de nome Precious. Confesso que mesmo não tendo gostado de PRECIOSA, fiquei um pouco curioso para conferir esse primeiro trabalho de Daniels.

Quanto a PRECIOSA, pouca coisa se salva no filme. Talvez a performance de Mo'Nique, como a mãe perversa de Precious (Gabourey Sidibe), a jovem negra, obesa e pobre que sofre rejeição na escola, tem dificuldades de aprendizado, engravida duas vezes do próprio pai (um dos filhos nasce com síndrome de down) e ainda come o pão que o diabo amassou nas mãos da mãe. Toda essa desgraça é complementada com os sonhos escapistas de Precious, quando o filme adota aquela fotografia cheia de filtros e coloca Precious vestida como quem vai para uma festa de gala. Se os momentos mais crus de sofrimento da garota já incomodam, esses momentos sem-noção chegam a ser constrangedores.

Muitos que viram o filme nos Estados Unidos chegaram a dizer que Lee Daniels mostra os negros americanos com uma imagem nada boa. E, por mais que a gente saiba que o filme não é feito por nenhum branco racista, essa impressão não deixa de passar pela cabeça ao ver tanta miséria e tanta falta de consideração pelo próximo na família de Precious. Quem, curiosamente, está bem no filme é Mariah Carey, no papel de uma assistente social. Por mim, ela largava logo a carreira de cantora. Muita gente ia ficar feliz com isso, tenho certeza.

PRECIOSA - UMA HISTÓRIA DE ESPERANÇA foi indicado a seis Oscar: filme, direção, atriz, atriz coadjuvante, roteiro adaptado e montagem.

Nenhum comentário: