quarta-feira, dezembro 29, 2004

ATÉ QUE NÃO SÃO TÃO RUINS - PARTE II



O ano está acabando. E ainda não sei se faço o balanço do ano com um texto de retrospectiva na sexta-feira, dia 31, ou se deixo para o início de 2005. Vai depender da possibilidade de eu ver ou não um filme no último dia do ano. Enquanto isso, vou tirando o meu atraso e derrubando 3 dos 9 filmes vistos que ainda falta eu comentar. Esses são da série "ruins mas bons". Ou não.

AGENTE BIOLÓGICO (Derailed)

Todo filme do Van Damme já tem fama de ser ruim, por mais que títulos como O ALVO (1993) e GOLPE FULMINANTE (1998), dirigidos por John Woo e Tsui Hark, respectivamente, tenham certo prestígio com parte da crítica. Geralmente eu não alugo os filmes protagonizados por ele, mas sempre que passam na tv eu faço o possível pra gravar e assistir. Estou aguardando passarem REPLICANTE (2001) e A COLÔNIA (1997), dois que eu gostaria muito de ver, mas que na hora de alugar sempre escolho outros filmes mais importantes.

Esse AGENTE BIOLÓGICO (2002) é dirigido por um tal de Bob Misiorowski, sujeito que já dirigiu filmes B de tubarão, de avião sequestrado e de assalto a banco - alguém conhece? A maior atração do filme é a presença da linda-maravilhosa-gostosa Laura Elena Harring, da obra-prima de Lynch CIDADE DOS SONHOS. Pena que Laura não esteja tendo a mesma sorte que sua colega Naomi Watts, fazendo esses filmes pequenos que vão direto para o mercado de video/dvd. Pelo menos, o próximo filme em que ela vai trabalhar - THE KING -, a moça vai contracenar com gente do primeiro escalão, como William Hurt e Gael Garcia Bernal. Pode ser que ela ainda tenha chance de virar uma estrela.

AGENTE BIOLÓGICO é surpreendentemente bom. Tem o charme de uma produção de baixo orçamento, usando até retroprojeção, como nos filmes antigos, numa cena em que Van Damme sobe de moto em cima de um trem. O filme se passa quase que totalmente dentro do trem, onde um vidrinho contendo vírus ou bactéria é quebrado e várias pessoas do trem começam a adoecer. A trama do filme é meio frouxa, o roteiro é ruim, mas é um filme especialmente prazeiroso de se ver.

Agora há pouco, estava comentando sobre o filme numa lista de discussão e o Thomaz Albornoz falou da "batalha do trenzinho de brinquedo com o helicóptero em CGI". Em suas palavras aquilo é "bizarro, parece coisa de filme italiano dos anos 70 (como aqueles que o Margheritti rodou na Turquia, bombas irrecorríveis)."

Ao que parece, os filmes de Jean-Claude Van Damme e Steven Seagal (desse "ator" eu nunca vi um filme sequer) não têm mais lugar nas salas de cinema, indo direto para o vídeo. E parece que Sylvester Stallone está trilhando um caminho parecido. E agora com o recesso do prefeito Schwarzenegger, os novos astros dos filmes de ação americanos são mesmo The Rock e Vin Diesel?

O próximo projeto de Van Damme chama-se KUMITE, dirigido por ele mesmo.

AGENTE BIOLÓGICO foi gravado da Globo.

SUPERNOVA

É impressão minha ou o público atual perdeu o interesse por esses filmes de ficção científica com naves espaciais? Exceção apenas para os filmes da série STAR WARS, de George Lucas, que continuam redendo uma fortuna. Esse ano, o único desse tipo que passou nos cinemas foi o horroroso A BATALHA DE RIDDICK. SUPERNOVA (2000) foi um filme cheio de complicações, está creditado a um diretor que não existe: Thomas Lee, pseudônimo de Walter Hill, mas também passaram pela direção Jack Sholder e o próprio produtor Francis Ford Coppola, que deu os retoques finais pro filme sair. Isso não ajudou muito e o filme é mesmo um fiasco em todos os sentidos. Mas por mais que seja um filme cheio de problemas, não é um filme ruim de ver, nem cansativo, ainda que bem esquecível. O bom elenco, formado por James Spader, Angela Basset, Robert Forster e Lou Diamon Phillips, deve querer esquecer que fizeram esse filme um dia.

Gravado da TNT.

ANIMAL (The Animal)

Rob Schneider continua fazendo essas comédias de gosto duvidoso. Até em um filme mais romântico tipo COMO SE FOSSE A PRIMEIRA VEZ, com o amigo Adam Sandler, ele está lá com seu humor meio deslocado e grosseiro. Deve ter os seus fãs e é o estilo dele, né? No absurdo ANIMAL (2001), de Luke Greenfield, diretor do bacana SHOW DE VIZINHA (2004), ele faz o papel de um policial sem moral na corporação, que, depois de um acidente, é resgatado por um cientista maluco e recebe transfusão (ou seria transplante?) de partes de vários animais. Assim, ele adquire os poderes de diversos bichos: cachorro, foca, cavalo, elefante etc. O cara que faz um roteiro desses merece um prêmio, hein! E o pior é que o final é ainda mais absurdo.

Gravado da Globo.

Nenhum comentário: