segunda-feira, janeiro 31, 2005

JERRY LEWIS EM TRÊS FILMES



Os filmes de Jerry Lewis eram dos poucos que eu curtia ver quando criança, nas sessões da tarde. Ao contrário de muitos cinéfilos que tem um histórico de curtir filmes desde a mais tenra idade, só iniciei minha cinefilia perto dos 16 ou 17 anos. Na infância eu gostava mesmo era de histórias em quadrinhos. E dos filmes de Jerry Lewis. Algumas cenas clássicas de seus filmes permanecem na memória até hoje. Acho que um dos que mais me lembro, entre os dirigidos por ele, é O TERROR DAS MULHERES (1961).

Demorou até que alguma distribuidora lançasse em DVD os filmes de Lewis, que hoje é considerado um grande autor, graças principalmente à turma de jovens críticos franceses dos Cahiers du Cinema. Lewis é um exemplo de artista múltiplo: ele é ator, comediante, diretor, produtor, escritor, entertainer e ainda arrisca como dançarino e cantor. Além disso, ele foi o inventor do video assist em 1960, para poder assistir a sua própria performance durante as gravações do primeiro filme que ele dirigiu - O MENSAGEIRO TRAPALHÃO (1960). Hoje o video assist é usado por todo mundo, como uma ferramenta essencial.

O pacote lançado pela Paramount contém cinco filmes dirigidos por Lewis - O MENSAGEIRO TRAPALHÃO, O TERROR DAS MULHERES, MOCINHO ENCRENQUEIRO (1962), O PROFESSOR ALOPRADO (1963) e O OTÁRIO (1964) - e um dirigido por Don McGuire - DELIQÜENTE DELICADO (1957), filme que marcou o primeiro vôo solo de Lewis, longe da parceria bem sucedida com Dean Martin nos anos 50. Abaixo, comentários rápidos de três filmes desse pacote.

O MENSAGEIRO TRAPALHÃO (The Bellboy)

Primeiro filme dirigido por Jerry Lewis, O MENSAGEIRO TRAPALHÃO é um filme sem história, algo novo pra época. Tanto que o filme começa com uma apresentação de um senhor comentando com gargalhadas sobre o quanto o filme era engraçado e sobre esse detalhe de o filme não ter uma história. Trata-se de uma série de sketches, quase parecendo cinema mudo (o personagem de Lewis não fala nada o filme inteiro), mas com uma excelente utilização do som. O filme lembra um pouco o estilo de Jacques Tati no seu AS FÉRIAS DO SR. HULOT, inclusive na utilização de poucos closes e muitos planos gerais. É um filme de humor totalmente visual. A minha cena preferida é aquela em que o gerente do hotel chama um dos bellboys e Jerry confude todos os seus colegas indo e voltando. Falando assim não tem a menor graça - tem que ver mesmo. Outras cenas clássicas: a cena das cadeiras, a cena do motor do carro e a cena da caixa de chocolates. Destaque para a participação de Jerry Lewis num papel duplo, fazendo o astro Jerry Lewis(!). No DVD há alguns mini-documentários e um comentário em áudio de Lewis com Steve Lawrence. Pena que esses comentários não acrescentam nada. Os dois homens limitam-se a ficar vendo o filme e rindo das piadas. Uma curiosidade que fiquei sabendo através de um documentário no DVD de O PROFESSOR ALOPRADO é que Lewis inicialmente tentara chamar Billy Wilder para dirigir esse filme, mas Wilder não entrou em acordo com o estúdio e por isso, Lewis tomou coragem e dirigiu o filme ele mesmo.

MOCINHO ENCRENQUEIRO (The Errand Boy)

Não tão bom quanto O MENSAGEIRO TRAPALHÃO, esse terceiro filme dirigido por Lewis é mais convencional. Pode-se dizer que tem uma história, mas é um filme que se sustenta mais nas situações engraçadas. No filme, Jerry Lewis é um sujeito desastrado que é convidado por um chefão de um estúdio de cinema para trabalhar de errand boy, ajudando e fazendo mandados em diversas áreas da companhia. Secretamente ele seria um espião disfarçado. Esse ponto de partida é apenas um pretexto para uma série de situações desastrosas em que Jerry vai se meter. Destaque para a cena dos menininhos comprando balas. Os comentários em áudio desse filme são de cenas selecionadas e não mais do filme todo. Acho que viram que não dava pra ficar rindo o filme inteiro.

O PROFESSOR ALOPRADO (The Nutty Professor)

Considerado por muitos a obra-prima de Jerry Lewis, O PROFESSOR ALOPRADO conta a história de um professor desastrado, míope, dentuço e sem moral com os alunos, que dá aulas de química numa universidade. Depois de sofrer a humilhação de um aluno, ele decide experimentar em si mesmo uma fórmula que o transformará em alguém diferente. Ele se transforma, então, em Buddy Love, uma versão arrogante e paqueradora dele mesmo - um sucesso. Seria a chance de conquistar a garota de seus sonhos: a bela aluna Stella Stevens. Só que o efeito da fórmula não dura muito.

O filme retoma o tema dos heróis humilhados dos outros filmes de Lewis, dando mais profundidade aos personagens. Nos extras do DVD, além de comentário em áudio de Lewis e Steve Lawrence (rindo como sempre), há um documentário muito legal de cerca de meia hora, chamado "Jerry Lewis no Trabalho", trazendo uma retrospectiva de seu trabalho desde O DELIQÜENTE DELICADO, passando por BANCANDO A AMA-SECA (1958), CINDERELO SEM SAPATO (1960), O MENSAGEIRO TRAPALHÃO, MOCINHO ENCRENQUEIRO e O OTÁRIO. O documentário infelizmente não cobre os últimos sete subestimados filmes de Lewis. Há também um outro documentário, de 15 minutos, intitulado "O Professor Aloprado - Aperfeiçoando a Técnica", além de várias cenas deletadas, material promocional e erros de gravação.

Agora é esperar que lancem por aqui os filmes que Jerry fez com Dean Martin, de preferência os dirigidos por Frank Tashlin.

Nenhum comentário: