sexta-feira, abril 22, 2005

TAKEN



E ontem foi exibido na FOX o último capítulo da mini-série TAKEN (2002), produção de Steven Spielberg para o canal a cabo SciFi. Somando-se todos os dez capítulos, a mini-série tem 877 minutos de duração. TAKEN já tinha passado na HBO, mas como eu não tenho o canal, só agora pude ter contato.

TAKEN não chega a ser muito empolgante, mas é um bom programa. Mas é melhor no começo e nos episódios finais. A impressão que se tem é que o objetivo da série é chegar logo na personagem Ally, brilhantemente interpretada pela menina-prodígio Dakota Fanning, e que o miolo da série é pura enrolação.

TAKEN acompanha a história de três famílias que, de alguma maneira, têm ligações com a chegada dos extra-terrestres em Roswell, Novo México. No primeiro ato da série temos: a mulher que tem relações sexuais com um E.T. e gera um filho híbrido; um inescrupuloso capitão que encontra a nave dos alienígenas; e um piloto da força aérea que é abduzido pelos extra-terrestres. Esses três personagens e suas respectivas famílias serão a base para o desenvolvimento da trama, que se passa durante três gerações, começando nos anos 40 e terminado nos 90, quando nasce Ally, a garotinha fruto de experiência alienígena.

Tirando a performance extraordinariamente adulta de Dakota, acho que o grande destaque de TAKEN é Heather Donahue, que faz a personagem Mary Crawford, a malvada neta do militar que encontra a nave em Roswell. A maldade e obstinação da família Crawford vai passando de geração em geração e atinge o seu ápice com a crueldade de Mary. Assim como o avô, ela não pensa duas vezes se tiver que matar alguém para atingir os seus objetivos. Nem que seja alguém da própria família. O legal da interpretação de Heather é que ela não é uma vilã estereotipada, mas que também sente remorso e tem uns tiques nervosos. Heather Donahue ficou conhecida no mundo todo quando fez A BRUXA DE BLAIR - ela é aquela moça que fica apavorada na floresta naquela famosa cena da lanterna.

O final da série dá a entender que a personagem de Ally é quase um messias, o que me fez lembrar de um livro bem interessante que li há algum tempo chamado "A Bíblia e os Discos Voadores", e que dizia que Jesus era filho de um extra-terrestre com uma mulher terrena. Pode parecer loucura, mas você lendo o livro, acompanhando os trechos da Bíblia que ele cita, e seguindo o seu raciocínio, fica até fácil de acreditar na coisa, principalmente com as várias aparições de E.T's apontadas nos livros Gênesis e Êxodus e no já famoso Capítulo I de Ezequiel, que contém a descrição detalhada de um disco voador!

Nenhum comentário: