sábado, abril 21, 2012

PROTEGENDO O INIMIGO (Safe House)
 


Apesar do nome de origem hispânica (seu pai é chileno), o diretor Daniel Espionosa pertence a essa leva da invasão de cineastas suecos e dinamarqueses em Hollywood (ou na Inglaterra, o que dá quase no mesmo), que inclui diretores como Mikael Håfström (que começou relativamente bem nos Estados Unidos com FORA DE RUMO, mas depois foi piorando a cada trabalho); Tomas Alfredson, que ganhou prestígio internacional com DEIXA ELA ENTRAR e estreou no cinema em língua inglesa com o elogiado O ESPIÃO QUE SABIA DEMAIS; Susanne Bier, que depois do sucesso de DEPOIS DO CASAMENTO tem transitado entre Dinamarca e Estados Unidos; e há o caso de Nicolas Winding Refn, que depois de DRIVE comprou seu ingresso para o primeiro time de Hollywood.

Quanto a Daniel Espinosa, não cheguei a ver seu trabalho anterior na Suécia, SNABBA CASH (2010), mas os olheiros de Hollywood dificilmente erram. O que pode acontecer é de o diretor virar "pau mandado" e perder a identidade, ao chegar nos Estados Unidos. Mas aí é problema dele. No caso de Espionosa, seu trabalho na Suécia deve ser no mínimo interessante. Ele não teria começado nos Estados Unidos logo com um thriller estrelado por Denzel Washington e Ryan Reynolds em vão. E ele mostra grande competência em PROTEGENDO O INIMIGO (2012), no qual Washington é um sujeito procurado pela CIA, que depois de se deixar ser capturado é levado para os cuidados de um jovem agente (Reynolds), temeroso da reputação daquele homem de tanta autoconfiança, mesmo estando algemado, ali em sua frente.

PROTEGENDO O INIMIGO é um filme de muitas reviravoltas no enredo. E não sei se isso depõe contra ou a favor. O fato é que se trata de um bom e bem movimentado filme, que se sustenta muito no carisma de Denzel. Ele é um ator extraordinário, mas esse papel é fichinha para ele, pela semelhança inicial com DIA DE TREINAMENTO. Por isso ele, às vezes, passa a impressão de estar no piloto automático. Mas Reynolds consegue não ser eclipsado pelo astro, o que já é um grande mérito. Outro mérito do filme está no diferencial das sequências de ação. Uma das mais empolgantes se passa em uma favela da África do Sul.